quarta-feira, 8 de março de 2017

O VACILO DO FURACÃO E A NOVA CHAPE - Por Rodrigo Curty

E a noite da Libertadores não foi exatamente perfeita para os times brasileiros. Atlético PR e Chapecoense entraram em campo contra o Universid Católica(Chi) e Zulia (Ven), respectivamente e apenas o time de Santa Catarina conseguiu vencer.
Antes de entrar nos detalhes das partidas, vale o registro da vitória maiúscula do Jorge Wilstermann sobre o tradicional Peñarol por 6x2. Ambos estão no grupo 5, o mesmo do Palmeiras, que hoje encara o estreante Atlético Tucumán(Arg). O jogo promete ser bem interessante e independente do resultado, arrisco em dizer que o time brasileiro avança adiante na competição.
Agora sobre ontem a noite. Pois é, a Arena da Baixada estava em festa, vestida lindamente de rubro-negro e infelizmente como em um conto de fadas, se deixou perder o encanto de estrear com vitória na estreia, justamente no apagar das luzes.
O gol de Lucho Gonzáles aos 4' dava a impressão de uma vitória sem problemas. Mas aí a velha chatice e erro de quem saí na frente do marcador. Ao invés de acelerar a partida o time brasileiro preferiu esperar o adversário e jogar no seu erro. Na primeira etapa isso raramente aconteceu. 
Na volta do intervalo, o time de Paulo Autuori continuou com a mesma tática e mesmo com uma certa pressão dos chilenos chegou ao seu segundo gol, aliás um golaço de Nikão, após belo passe de calcanhar de Rosseto e que fez o seu comandante afirmar "Aqui não". Benditas últimas palavras.
Sim, engana-se que um 2x0 com 30' em casa é vitória garantida. O time de Mario Salas provou ser equilibrado e de bom toque de bola. Com calma conseguiu pressionar o Furacão e poderia ter aberto o placar antes mesmo dos 40', se não fosse a intervenção de Weverton. O gol calou a torcida que não via a hora do apito final. Só que a pressão continuou e em menos de 2' veio mais uma chance de gol e na sequência o empate com sabor de derrota. 
O resultado foi ruim considerando que o time atleticano agora saíra para dois jogos fora contra San Lorenzo e Flamengo. Que o tropeço sirva de exemplo para as próximas partidas. Força Furacão.
Já em Maracaibo, a nova Chapecoense foi muito bem. O time de Vagner Mancini se postou muito bem durante toda a partida. Renovada, empenhada e com um espírito de uma equipe gigante e que parecia ter longa rodagem internacional. 
O primeiro gol veio do experiente lateral esquerdo Reinaldo, em cobrança de falta na lateral. Outros gols poderiam ter saído na primeira etapa, só que quis o destino que o belo gol de Luiz Antônio viesse na segunda etapa. O jogo estava controlado até o gol de Arango que resultou em pressão nos minutos finais e defesas de Artur Moraes. 
Parabéns a Chape que se fizer a lição de casa estará mais vivo do que nunca nas fases seguintes. Que venha o Lanús.
Até a próxima!