quinta-feira, 18 de maio de 2017

A CICATRIZAÇÃO DO FLAMENGO - Por Rodrigo Curty

O Flamengo começou o ano com o objetivo traçado de conquistar, se possível, todos os títulos que disputaria - Estadual; libertadores; copa do Brasil; brasileirão e primeira Liga.
A base da equipe que fez um ótimo campeonato brasileiro em 2016 foi mantida e novos reforços chegaram, ou seja, mais uma vez o investimento foi feito. Eu nem vou entrar na questão se dá forma certa ou errada. A questão é que as tradições rubro-negras não vem de agora.
É triste para o torcedor do clube mais-querido do Brasil e por que não, entre os que mais tem notoriedade no mundo, aceitar uma nova eliminação na fase de grupos da Copa Libertadores. 
As derrotas vexaminosas acompanham todos os clubes, a questão é que no Flamengo isso já virou rotina. Os erros do passado deveriam servir de lição. A aceitação, as declarações de quem dirige o clube, de quem comanda e de quem entra em campo deveria produzir mais resultados com os tropeços. Mas ao invés disso, o que se vê são as velhas promessas, desculpas e que tudo irá mudar daqui para frente.
O Flamengo definitivamente não consegue se impor em uma competição internacional. A camisa que tem sim o seu peso, ao mesmo tempo permite que os adversários à desrespeitem. 
O grupo 4 da competição sem dúvida era o mais equilibrado. Todos tinham chances de classificação, porém, o time carioca entrou na última rodada líder e precisando apenas de um empate para não depender de ninguém. A covardia, apatia, falta de liderança, preparo emocional e atitude para sair vitorioso fizeram falta.
Hoje culpam Muralha também por outras partidas pela eliminação. Culpam o jovem Matheus Sávio, o técnico Zé Ricardo pro escalar e pior, por mexer equivocadamente na equipe. Culpam a direção, presidência e outras coisas mais. Claro que todos têm as suas parcelas na terceira eliminação seguida e a quinta da história da equipe, na fase de grupos. O recorde deveria ser outro.
O Flamengo deve analisar o restante da temporada. Deve ter a ciência que a derrota se deu não na partida contra os argentinos e sim na falta da credibilidade e atenção que o torneio exigia e exige. Faltou planejamento. O elenco caro e gigante e sem dúvida um dos mais fortes do país, deveria usar de seu time considerado B para jogar o estadual, mesmo que custasse o título, afinal, hoje ele de nada vale. E olha que o time reserva é melhor do que muitos que disputam à série A.
Já passou da hora de quem está à frente do clube pensar grande, pensar como Flamengo e não como um time de bairro. Entender que essas derrotas não são apenas derrotas. Elas no mínimo deveriam ser aprendidas e justificadas se o time fizesse por onde em campo. 
Os números no futebol há muito tempo não diz nada. O que adianta ter um número expressivo de vitórias na temporada se as únicas três derrotas custaram a passagem à fase de mata-mata da Libertadores? Esse é o formato que tradicionalmente o clube gosta de atuar. Cresceria na competição, porém pensou nisso antes mesmo de chegar. Esqueceu de combinar com os rivais? Veja o exemplo do Atlético PR - o Furacão perdia para o Universidad Católica no Chile e sempre buscou a vitória, venceu por 3x2, em uma partida que está entre as cinco maiores da história do clube. É preciso ter "sangue" nos olhos. Ter atitude, comunicação, entrega até o apito final ao invés de buscar culpados.
Hoje acredito que a ferida, por mais complicada seja para se fechar, fechará mais rápido do que o esperado. Acredito que a Copa do Brasil, agora a entrada na Sul-Americana e o Brasileirão terão um novo Flamengo. Flamengo esse que deve se preocupar em dar resposta apenas para sua apaixonada torcida que apoia, chora, ri e o acompanha aonde quer que o clube esteja. Torcida essa que critica às vezes até exageradamente, mas que sabe o que a direção poderia fazer para não estampar negativamente as capas dos tabloides.
Vamos aguardar os próximos capítulos e ver se o Flamengo definitivamente volta a ser aquele Flamengo de tradição, raça, amor e paixão. Aquele da Nação enlouquecida pelas conquistas e não pelos vexames. É aguardar para ver, afinal, certeza mesmo é que a sua torcida sempre estará contigo.
Até a próxima!