quarta-feira, 28 de junho de 2017

QUARTAS DE FINAL DA COPA DO BRASIL - Por Rodrigo Curty

A bola rolou pelas quartas de final da Copa do Brasil. E olha que a expectativa do público em assistir belos jogos se concretizou. Os duelos de clássicos foi eletrizante como conto a seguir.
Grêmio e Atlético PR abriram a noite da competição. O jogo no estádio do tricolor gaúcho praticamente garantiu o seu classificado às semifinais. Claro que falo dos comandados de Renato Gaúcho.
O tricolor sobrou contra o perdido, nervoso e sem vibração rubro-negro. O Grêmio, sem dúvida nenhuma apresenta hoje o melhor futebol do país. O time é envolvente, conta com variação tática e uma sincronia entre defesa, meio e ataque. Os jogadores estão voando. Edílson, Geromel, Ramiro, Barrios, Luan, Pedro Rocha, etc, estão iluminados. O time joga com uma sobriedade de dar inveja aos concorrentes. O time de Eduardo Baptista não viu a cor da bola. A vitória de 4x0 ainda ficou barato. Se não fosse por Weverton, a goleada seria ainda maior. Olho nos gaúchos que sonham alto na temporada.
Já na Ilha do Urubu, o Flamengo fez mais uma vítima. Desta vez o derrotado foi o Santos, que até teve alguns momentos de lucidez, porém sem competência para ameaçar a meta defendida por Thiago.
Já o rubro-negro foi mais envolvente, mesmo sendo precavido. A formação com dois volantes, desta vez formada por Márcio Araújo e Cuèllar e o apoio dos laterais Pará e Trauco, além das jogadas pelo meio com Diego que buscava a velocidade de Éverton e Berrío. Isso sem falar de Guerrero que ajudou novamente na defesa e no ataque. O time está longe de empolgar a sua torcida. O trauma da eliminação da Libertadores perdura e somente se cicatrizará de vez com conquistas. A Copa do Brasil, assim como o Brasileirão e a Sul-Americana é o sonho do torcedor. O elenco é maiúsculo e homogêneo, assim se bem organizado pode ganhar as competições.
A noite foi de golaços. Éverton e Cuèllar conseguiram vencer o ótimo goleiro Vanderlei que parou Berrío, em pelo menos três oportunidades. Se não fosse por ele, a classificação estava garantida hoje mesmo. A volta na Vila Belmiro ou Pacaembu não será fácil mesmo com a vantagem de 2x0. Vamos aguardar.
Já na Arena Palmeiras, quem esteve presente, viu um jogaço. Palmeiras e Cruzeiro, sete títulos da competição em campo honraram as tradições. Em dois tempos distintos, seis gols. Se o Cruzeiro pareceu que aplicaria uma goleada histórica no Verdão, na etapa final, quase viu a virada se transformar em realidade. 
O apagão das duas equipes ficou evidente. Temos que vibrar pela quantidade de gols e chances desperdiçadas, e sim, jamais analisar a falta técnica de ambas as equipes para evitarem esse tipo de tragédia. Deveria ser inadmissível aplaudir um time que ao mesmo tempo marca três gols com facilidade, sofrer os gols da forma que sofreu. 
Ficou claro que o time de Cuca aparentemente voltou a ser "cascudo", determinado a fazer a lição de casa, enquanto o de Mano Menezes ser um time sem equilíbrio emocional, mesmo com jogadores experientes em campo. O empate em 3x3 é uma vantagem a ser considerada, mas sinceramente, o sabor de "vitória" deu um sabor de quero mais ao Palmeiras para a partida em Belo Horizonte. Confronto aberto.
Hoje Atlético MG e Botafogo fecham a série da primeira partida das quartas de final. Por jogar em casa, vejo uma ligeira vantagem aos mineiros. É aguardar para ver.
Até a próxima!