quinta-feira, 22 de junho de 2017

FLAMENGO GOLEIA E EMPOLGA - Por Rodrigo Curty

E mais uma vez a torcida presente na Ilha do Urubu saiu em ritmo de festa. O Flamengo goleou o bom time da Chapecoense, que definitivamente não consegue voltar a vencer na competição.
A obrigação do rubro-negro em somar mais três pontos e conseguir de vez uma sequência de vitórias na competição ficou nítido desde o início. Defesa, meio e ataque estão sincronizados e concentrados. Fora isso, a sintonia estádio e jogadores parece que deu liga.
Hoje Diego e Guerrero foram os grandes destaques da partida. O camisa 35 abriu o placar com um belo gol de fora da área. Já o camisa 9 calou aqueles que acham que ele tem mais a fama de perder do que marcar gols. 
É bem verdade que o peruano perdeu boas oportunidades de marcar até mais do que os seus três primeiros gols no torneio. Mas é fato também que o atacante ajuda e muito no esquema de Zé Ricardo. Ele marca atrás, tabela no meio e finaliza sempre que sobra uma bola. É um jogador inteligente e muito bem preparado fisicamente. Foi assim que deu o passe na medida para Diego marcar outro golaço na partida.
Quem estreou na zaga do Flamengo foi Rhodolfo. Ele entrou, por causa da contusão do capitão Réver, logo após a falha do goleiro Thiago no gol de Victor Ramos. E olha que mesmo sem ritmo de jogo, mostrou que sabe se antecipar as jogadas e dar segurança quando o time é pressionado. 
Ainda é muito cedo para cravar que o Flamengo decolará. A goleada foi merecida e mesmo em momentos de ansiedade o time se portou bem e soube esperar o momento de consolidar a vitória que poderia ter sido ainda maior.
O rubro-negro tem muita qualidade técnica e diversas opções para a maioria das posições. O planejamento é essencial nessa retomada tão desejada pela torcida e comissão técnica.
O mês foi cansativo, assim como será julho. Jogos sem tempo de folga para treinamentos, riscos de lesões, jogadores com altos salários no banco de reservas, enfim, gerenciar tudo isso não é uma tarefa fácil nem para um treinador considerado medalhão.
A vida de técnico no Brasil não é fácil, quem dirá então em um time de tanta tradição. Zé Ricardo ainda é questionável, mas precisa de tranquilidade para comandar. Precisa parar com a tal questão de "meritocracia". Penso que deveria simplesmente sentar com todos da comissão e jogadores e bolar equipes para os torneios que o clube se encontra. 
Nesse domingo, por exemplo, a partida contra o Bahia tende ser complicada, seja pelo desgaste, seja pela pressão do tricolor ter que voltar a vencer, após duas derrotas de forma avassaladora contra Palmeiras e Corinthians.
Zé Ricardo deve entender de uma vez por todas que têm um elenco de suplentes que dá conta do recado. Pense você que no banco tem jogadores como Muralha, Pará, Cuéllar, Rômulo, Conca, Ederson, Mancuello, Vinicius Junior e Leandro Damião. Isso sem falar que Everton Ribeiro deve fazer a sua estreia. Ora, será que não vale poupar nomes como o da dupla que acabou com o jogo de hoje, pensando já na partida de ida das quartas da Copa do Brasil contra o Santos? Fora isso, é importante levar em consideração a questão de evitar as lesões musculares pelo excesso absurdo de jogos. É para se pensar e confiar que no Flamengo, assim como em outros clubes, haja uma inteligência para saber como cada atleta se encontra após as partidas, seja física, emocional ou fisiologicamente. 
Hoje o time goleou e sim, bastará um tropeço domingo para toda pressão, desconfiança e cobranças voltarem à tona. Vamos aguardar para ver o que rola nos próximos capítulos. A Nação espera que a sequência tão esperada.
Até a próxima!