quarta-feira, 19 de julho de 2017

ERROS DO FLAMENGO VÃO ALÉM DA ARBITRAGEM - Por Rodrigo Curty

E mais uma vez o Flamengo tropeçou jogando em sua casa. A Ilha do Urubu não esteve completamente lotada para o duelo contra o Palmeiras, o que de certa forma foi uma pena, afinal a partida foi muito agradável, repleta de emoções e infelizmente contou com erros bisonhos da arbitragem, no caso do senhor Jailson Macedo Freitas.
Independente do árbitro não ter marcado falta nos dois lances que resultaram os gols do time paulista no empate em 2x2, o fato é que o rubro-negro está muito, mais muito aquém do que se espera dele na competição.
As contratações não param e os jogadores que chegam ainda precisam se adaptar. Essa tarefa não é nada fácil com o calendário do nosso futebol. A culpa então cai nas costas de Zé Ricardo. Ora, o treinador têm sim muita parcela pela falta de regularidade de sua equipe. Ele é o responsável por escalar e principalmente mudar as peças, após a leitura do jogo. As substituições são sempre as mesmas, a postura emocional da equipe é lastimável e o esquema é no mínimo óbvio, logo a leitura deve estar sendo feita de forma equivocada. 
E falando bem sério, o que alivia os torcedores é que essa falta de resultados positivos não é uma exclusividade do Flamengo. O próprio Palmeiras também investiu muito forte para a temporada e não agrada. A semelhança dos dois vai além dos "gastos", "estrutura" e do empate. Ambos contam com dois treinadores que possuem um elenco forte, porém sem um time formado. Cada hora é uma mudança aqui ou ali, no caso de Zé Ricardo, a escalação das últimas partidas até vem sendo mantida e esse é o problema - o desgaste de peças importantes como Diego e Everton Ribeiro dentro do esquema equivocado sobrecarrega.
O esquema de tic-tac, valorização do posse de bola sem eficácia e a falta de inteligência para manter o placar à favor ou postura de liquidar logo as partidas está longe de acontecer.
Isso é inadmissível com o plantel atual. Analise comigo o que Zé Ricardo tem nas mãos - No gol, o ótimo Diego Alves tem tudo para amenizar os erros grotescos de uma zaga formada por Réver e Rafael Vaz. As laterais falham nas coberturas e são ineficientes nos cruzamentos. O meio tem a correria de Márcio Araújo, proteção de Cuéllar e as múltiplas tarefas para Diego e Evérton Ribeiro que ainda não se entenderam. No ataque Guerrero precisa voltar para abrir espaços para as subidas e aparições eficientes de Everton. 
Está na cara que o time precisa urgentemente ter o retorno do zagueiro Rhodolfo, que ao meu ver deveria formar a dupla com Juan, inexplicavelmente fora da equipe titular. No meio, o time tinha que aproveitar o que tem no banco e valorizar o jogo bonito, rápido e buscar incansavelmente o gol, mesmo abrindo mão de volantes. Por que não testar um time por exemplo com Arão, Diego, Éverton Ribeiro e Geovânio? E ter no ataque Guerrero,  Éverton, Bérrio ou Ederson, que também não entra mais? Por que insistir em Mancuello? Por que não testar Conca? As resposta talvez seja o básico -  O time tem que ter dois alas que apoiam e ter a proteção de volantes como Márcio Araújo. 
É certo afirmar que o Flamengo seria totalmente outro se valorizasse seu poder ofensivo e jogasse como por exemplo o Grêmio. O time de Renato Gaúcho joga sem medo e tem um banco homogêneo e equilibrado, ou seja, mudam as peças, mas não a postura e a vontade de ganhar.
Está mais do que na hora do Flamengo parar de reclamar de arbitragem e mostrar de uma vez por todas que está preparado para uma sequência longa, cansativa e rodar corretamente o elenco. Priorizar tudo que disputa sem inteligência custará as eliminações e perda do título brasileiro. 
É questão de tempo para a "casa cair", mas ainda tem muito chão e seja com Zé Ricardo ou outro treinador, o fato é que esse "homem" precisa definir dois times para colocar em campo, de acordo com os adversários e competições, caso contrário, cansará o time e morrerá na praia. 
O maior desafio do comandante é saber liderar e potencializar seu plantel, deixando claro que todos fazem parte das 11 opções. Convenhamos, o rubro-negro está bem longe de fazer isso. 
Arrisco dizer que bastará um novo tropeço ou eliminação da Copa do Brasil para a "desgraça" anunciada chegar na Gávea. O ambiente não está bom, Bandeira está desgastado e a paciência, bem essa só Deus sabe até quando se manterá. Faça a sua aposta.
Até a próxima!