segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

O MAIOR "TIME" DO MUNDO - por Gustavo Cavalheiro

Quando começou a Copa do Mundo do Japão de vôlei, fiz uma matéria aqui no EA! e fui criticado e mal interpretado por alguns. Peço que leiam este texto e principalmente, releiam aquele!

O que eu disse e reafirmo é que Ricardinho é e sempre será um dos maiores levantadores do Brasil na História e ao mesmo tempo, o maior problema desse elenco (vide título da matéria antiga).

foto UOL
Mesmo sendo da posição mais egocêntrica do esporte nacional, o levantador da seleção brasileira de vôlei masculino tem de ser genial individualmente e fabuloso em grupo e isso o Ricardinho nunca foi, como revelei por conhecimento pessoal.
Nenhum grupo, por maiores as vitórias e os resultados, tolera estravagâncias como aquelas que o Ricardo fez e continua fazendo (vide o píto que o Giba deu nele ao vivo para todo mundo ver).

Volto a citar que a crise da distribuição de prêmios não era o ponto central da "briga", na Liga Mundial jogadores saíram na mão, após a vitória e isso na carreira de Ricardinho não é novidade. Ele chegou a apanhar de TODO seu time quando era um infantil do Banespa!
Quanto ao melhor time do mundo:
Mantenho o que disse que tecnicamente Marcelinho é um levantador mediano (nota 6) num time com um bloqueador nota 10 (Gustavo), um Ponta nota 8,5 (Giba, com a barba fu-manchu 9,5); um líbero nota 9,5 e dois caras que eram muito mal tratados na distribuição de bolas na "gestão" Ricardinho: Dante (8,0) e André Nascimento (por ser canhoto, sempre nota 9,0) e uma comissão técnica diferenciada. Quem leu o livro do Bernardinho, sabe o que eu digo.

Marcelinho é um Neo-Talmo, Neo-Leandrinho... o tipo de jogador bacana pro grupo, que sabe que o titular é muito melhor que ele, não reclama e tem uma carreira longa como banco. Bruno mostrou que tem uma mão melhor que a de Marcelinho, mas como Bernardinho não quer queimar o garoto, por motivos óbvios, amadurecerá no banco do limitado Marcelo.

Com Marcelo em quadra, se ele não jogar pelo menos 90% do que sabe o Brasil se torna um time comum, com chance de derrota. Algo que é do esporte, normal, previsível, mas estranhamente não acontece a esse time.

Não se pode falar um nada do maior time do mundo de todos os tempos, mais que Santos de Pelé, Real Madrid de Di Stefano, Bulls de Jordan, Lakers de Johnson ou Celtics de Bird o Brasil de Bernardinho é soberano há 8 anos:


2001: 5 titulos em 6 (2º Copa dos campeões, Campeão: Liga, Copa América, Sul-americano);
2002: 2 em 3 (2º Liga e Campeão: Mundial)
2003: 3 em 4 ( 3º pan; Campeão: Liga, Sul-americano, Copa do Mundo Japão)
2004: 2 em 2 (Campeão: Liga e Olimpíada)
2005: 3 em 4 (2º Copa américa c/ reservas, Campeão: Liga, Sul-americano. Copa Campeões)
2006: 2 em 2 (Campeão: Liga e Mundial)
2007: 4 em 5 (2º Copa América c/ reservas; Campeão: Liga, Pan, Sul-Americano e Copa do Mundo Japão)

No mundo do vôlei já é o maior time da História e caso consiga o bi-olímpico em Pequim, ao qual classificou-se nesta Copa do Mundo do Japão junto à eterna promessa Rússia e o bom time da Bulgária, será imbatível e insuperável pelos próximos 20 anos, com certeza!