quinta-feira, 19 de junho de 2008

DE QUEM É A CULPA - Por Rodrigo Curty

A festa estava linda e tinha tudo para ser uma grande alegria. A torcida lotou as dependências do Mineirão. Bandas de pop e rock. A confiança era plena. Mas infelizmente o país ficou chateado com o sétimo empate sem gols, na história desse grande clássico sul-americano e um dos mais tradicionais do mundo.

O comandante Dunga até que tentou. Mudou a equipe e entrou com Anderson, Júlio Baptista e Adriano. Desses aliás, o camisa 10 foi para mim o melhor do Brasil ao lado de Lúcio. A Seleção perdeu chances com Julio Baptista, após rebote de Abbondanzieri, com Robinho, depois de grande jogada na linha de fundo, onde poderia ter sido menos individualista. Do outro lado craques como Riquelme e Messi também não estavam inspirados.

A torcida fez a sua parte, apoiou a equipe até onde deu. Sabemos que paciência tem limite, e ver o Brasil inoperante pelas laterais e com um meio de campo formado com Mineiro, Gilberto Silva e Diego, que substituiu Anderson era mesmo complicado. Na frente os atacantes não podem ser tão crucificados, a bola não chega. De qualquer maneira, é triste saber que já são três partidas sem marcar. Fica claro a falta que Kaká e Ronaldinho Gaúcho fazem nessa equipe. Mas porque culpar somente o Dunga? A culpa é somente dele?

Hoje eu não sou favorável pela sua permanência à frente da equipe, e até acredito que ele deva ser substituído, após os jogos olímpicos. A não ser que consiga o feito histórico de conquistar o titulo que nos falta. Mas o treinador tem caráter e infelizmente para muitos um bom retrospecto. Hoje mais valem os números do que os belos jogos e desempenho da equipe, o que é triste.

Mas sou justo e cobro o treinador pela falta de ousadia, de esquema tático definido, da falta de experiência para assumir o tão importante cargo. Cobro pela falta de planejamento para escolher e testar jogadores. Agora sem dúvida, o torcedor tem razão de reclamar, xingar, pedir e nem sempre ser atendido, tudo isso faz parte.

Ontem é importante que se diga, o Brasil se encontrava na mesma situação das eliminatórias da Copa de 2002. Tínhamos os mesmos oito pontos em cinco jogos. Diferente daquela, a sexta partida exatamente contra os argentinos nos trouxe a vitória. Agora ao invés de onze pontos, chegamos aos nove. Mas e daí? Naquela época, a tão xingada equipe de Felipão, conseguiu superar tudo e a todos e nos trouxe na seqüência o pentacampeonato. Por isso, por mais complicado que seja, a paciência deve prevalecer. Chega de pessimismo, de pensar que o Brasil não vá a próxima Copa.

De qualquer forma, eu entendo que uma ausência do país, seria importante, desde que, houvesse uma mudança drástica na CBF. Que a entidade tivesse um novo rumo, novos comandantes, uma equipe seria e que tivesse em mente algo realmente a favor do futebol. Um planejamento sério, visando a Copa de 2014. Alguém acredita nisso?

A torcida fica para que as próximas partidas, o Brasil tenha jogadores que honrem e façam por onde em vestir a amarelinha. Força Brasil!!!