quarta-feira, 16 de julho de 2008

JOGO ABERTO - por Gustavo Cavalheiro

Sem desmerecer a sétima conquista do voleibol feminino do Brasil no Grand Prix, a coluna de hoje faz pensar em até que ponto vale a pena JOGAR ABERTO no mundo do esporte.

É claro e muito evidente que o Brasil foi o único time a entrar no Grand Prix com sua força máxima e todo seu jogo para vencer e consolidar uma confiança para Pequim. Este pareceu ser o plano de Zé Roberto Guimarães e suas comandadas: ENTÃO FOI SUCESSO!

Cuba, Itália, China, Rússia e até os EUA entraram pra como se diz: "bater de mão mole". Foi exatamente o que fizeram, em menos de 30 dias da abertura da Olimpíada elas esconderam seu jogo, enquanto o Brasil foi lá e atropelou a todas, causando grande euforia em muitos incautos e aqueles que não acompanham o esporte com freqüência.

Com mais uma taça na bagagem, a volta carregou muita imprensa para o desembarque e a famosa pergunta: SERÁ QUE AGORA VAI? Tecnicamente confirmo tudo o que disse a quase um mês aqui. ITÁLIA é o time a ser batido no feminino, num segundo patamar estão Brasil, Russia, depois China (que pode surpreender por ser a dona da festa) e num nível pouco abaixo Cuba e EUA.
Este panorama mudaria na ausência da Agüero pela Itália ou no cruzamento de quartas e semi-finais, mais nada! Pessoalmente eu torço pras meninas exorcizarem seus traumas e medos e emplacarem uma medalha em Pequim e se possível uma final, que pra mim seria um enorme feito, mas por favor, não caiam na inocência de cobrar um OURO em Pequim pelos resultados visto no Grand Prix
MASCULINO

No masculino, Bernardinho continua escondendo o jogo do Brasil na Liga Mundial, enquanto aproveita a oportunidade para testar jogadores e definir seu grupo olímpico.
Gostei muito das voltas de Rodrigão e Giba. Acho até que se o Giba realmente estiver em condições físicas, as chances de Nalbert ficarão muito reduzidas em fazer parte do grupo.
Agora é uma boa hora para vermos nas finais da Liga Mundial, quem será o país que vai "queimar a largada" e mostrar jogo para levar o caneco das mãos do Brasil. Dizem até que Bernardinho pode deixar o time B disputando as finais da Liga e seguir com o time A para Pequim para o período de aclimatação. Para mim esta seria uma jogada de mestre!

PRAIA

A Confederação Brasileira de Vôlei acaba de divulgar em seu site as reservas das duplas femininas no torneio olímpico: http://www.volei.org.br/newcbv/noticias/noticia.asp?IdNot=10042
FEMININO: Shelda e Ana Paula. A primeira é reserva de Larissa e de Renata. Já a outra, é reserva de Juliana e Talita. Segundo a regra dos Jogos Olímpicos, no momento das inscrições das duplas, é necessário indicar um substituto para cada atleta.

MASCULINO, assim que estiverem definidas as duas duplas participantes, o mesmo processo será divulgado.