sexta-feira, 31 de outubro de 2008

EMPATE, TRISTEZA E FALTA DE LUZ - Por Rodrigo Curty

As partidas que fecharam a 32ª rodada do Brasileirão, da Série A, foram bem disputadas, tristes para os torcedores cariocas e pernambucanos e às escuras para os presentes na Ilha. Vamos a elas.

Em São Januário, o torcedor cruzmaltino fez a sua parte. Lotou as dependências do estádio para empurrar o Vasco a mais uma vitória. Mas o que se viu no confronto entre a pior defesa contra o pior ataque foi um Atlético PR marcando em cima e com disposição para conseguir os três pontos.

Em uma partida aberta, o Furacão perdia gols atrás de gols e o Vasco se mostrou dependente de Edmundo e bastante nervoso. A equipe de Renato Gaúcho só assustou a equipe paranaense depois dos 17’ com o “animal”, depois no chute de Mateus, até chegar ao gol com o lateral Valmir. Mas o castigo veio antes do intervalo, após uma lambança da zaga vascaína.

Na segunda etapa, sem Edmundo que sentiu dores na coxa, o Vasco se perdeu em campo, e apostava no meia Madson, um valente, brigador e apaixonado pelo clube. Mas só ele não adiantava.

Do outro lado, o atacante Pedro Oldone colocou o Atlético PR na frente e calou o estádio. Totalmente desarrumado, o cruzmaltino jogava na base da vontade e assistia o goleiro Galatto fazendo milagres no gol do Furacão. Mas a justiça estava por vir. Com um balaço de perna esquerda, Madson, só poderia ser ele, balançou as redes. No fim um empate justo que deixa as equipes em situação complicada na competição.

Em Recife, o sete fez a diferença. O Sport, equipe que já pensa e se planeja para a Libertadores de 2009, para variar não conseguiu vencer. Já são sete partidas sem vitórias.

Do outro lado, um Santos que não perde há três partidas, contou com a segurança do às vezes maluco, mas belo goleiro Fábio Costa. Em uma partida bem disputada e com direito a bastante gol perdido, o resultado não poderia ser outro que não o empate. No fim o placar de 1x1, com gols de Fumagalli de pênalti e do artilheiro do campeonato Kleber Pereira, agora com 21 gols, deixou ambas as equipes em situação intermediária na tabela.

No último confronto da noite, Figueirense e Fluminense bem que tentaram jogar, no Orlando Scarpelli, em Florianópolis. Mas antes do início, uma queda de energia que levou cerca de 1h e 45’ para voltar quase decreta uma nova data para o jogo. Quando tudo parecia normalizado, o tricolor carioca teve duas oportunidades. Aos cinco minutos, de pênalti, o atacante Washington, desperdiçou, isolando a bola. Para sorte do goleador, aos 12’, Arouca abriu o placar, porém, três minutos depois, uma nova queda de luz, e uma espera de mais 30’.
Sem alternativa, o paciente árbitro Wilson Luiz Seneme, decidiu então terminar a partida. Agora os 75 minutos restantes serão realizados na próxima quarta-feira, no mesmo local, com o mesmo placar e com as mesmas equipes. Depois eu conto os próximos capítulos.