sexta-feira, 28 de novembro de 2008

GOD SAVE THE QUEEN - por Gustavo Cavalheiro

Terça-feira dia 25 de novembro de 2008, mais uma palhaçada populista foi realizada no país da bola. A Assembléia Legislativa de Alagoas aprovou em segunda instância o projeto de lei para a mudança de nome do Estádio Rei Pelé para Rainha Marta.

A justificativa é que Marta, a homenageada, seria Alagoana e teria mais ligações emocionais que Pelé, que só teria pisado no estádio em uma partida em 1970, na sua inauguração (Santos FC 5 x 0 Sel. Alagoana com 3 gols do Rei). Outra justificativa é que naquele período de regime militar as decisões eram tomadas sem a participação popular, mas neste mesmo argumento pergunto: alguém de Maceió ou do resto de Alagoas escolheu essa questão, que não seja apenas os populistas e amantes dos holofotes da Assembléia alagoana?

Faço-lhe o favor (querido leitor) de nem citar o nome do autor deste projeto, mas a ele eu faço uma singela pergunta: RAINHA MARTA POR QUÊ?

Quando a Marta foi coroada Rainha do futebol? Seria pelo fato de ter sido eleita duas vezes a melhor do mundo? Isto não a faz Rainha, por enquanto as "Rainhas" da bola são Mia Ham (EUA) e Birgit Prinz (Alemanha). Marta é ótima, uma craque, mas ainda está mais pra Duquesa ou Marquesa que Rainha.

Meu medo é que daqui alguns meses alguém da Assembléia possa mudar o nome de Rainha Marta pra Don Souza. Outro boleiro alagoano que pode dar mais atenção à homenagem que o Rei e a "Rainha".

Só gostaria de lembrar que o estádio de Milão tem dois nomes, SanSiro nos jogos da Internazionale e Giuseppe Meazza nos jogos do Milan.

Outra coisa: A tal polêmica das malas (preta, branca, amarela com listras azuis, bolinhas vermelhas ou que seja) não faz o menor sentido em um ambiente em que o BICHO (oriundo da jogatina ilícita) é entregue como "premiação" para a obrigação contratual de se esforçar sempre pela vitória do time, desde as categorias de base e ninguém encara como é: uma cultura do suborno!