sexta-feira, 6 de maio de 2011

NOVOS BONDES NA PRAÇA - Por Rodrigo Curty

E a noite de quinta-feira foi terrível para palmeirenses e rubro-negros, mas maravilhosa para os torcedores de Coritiba e Ceará.

A primeira, como já é de costume lotou o estádio Couto Pereira. Estádio este localizado no bairro Alto da Glória. E não é que este nome combinou muito bem com o que foi apresentado em campo? O Coxa Branca fez o seu fanático torcedor chegar no auge da glória. A equipe atropelou o Palmeiras com uma sonora goleada de 6x0. Será que agora resta dúvida de que a equipe paranaense deve sim ser respeitada e levada a sério quando colocada como uma das melhores do país na atualidade?

Prefiro ir com calma e não me enganar. Porém, é certo afirmar que o time muito bem dirigido por Marcelo Oliveira administra bem os espaços, valoriza o toque de bola, e principalmente se utiliza do entrosamento e rapidez nos contra-ataques. A zaga formada por Emerson e Pereira, o meio de campo com Davi e Léo Gago e o ataque com Rafinha e Bill são apenas alguns dos destaques desta equipe, que mantém a incrivel sequência de 24 vitórias. É aguadar pra ver quem será capaz de parar este bonde verde.

No futebol existem as péssimas noites, os apagões e jogadores que juram não terem feito corpo mole ou algum tipo de boicote. Cabe ao torcedor analisar sem paixão. O Palmeiras é colocado agora como um time rídiculo, onde quase ninguém presta. Muitos querem a saída de Felipão, enfim, mas vale lembrar que no último final de semana, o mesmo alviverde, com exceção de algumas ausências importantes como Cicinho, Thiago Heleno e Valdívia, foi melhor que o Corinthians, finalista do Paulistão. O time em 21 jogos no estadual levou apenas 10 gols. Coisas do futebol.

Já no Rio de Janeiro, o bonde sem freio rubro-negro foi parado. E olha que por uma carroça desembestada. O Ceará calou o Engenhão. O Vozão entrou em campo com uma postura defensiva para se aproveitar de contra-ataques e conseguir pelo menos um gol fora. Foi melhor do que o combinado. O Flamengo teve na primeira etapa mais domínio de bola, porém sem objetividade. Quando assustava, Fernando Henrique, velho rival, dava conta do recado no gol cearense. Isso sem falar da experiência de Geraldo, Iarley e o oportunismo de Marcelo Nicácio, autor do primeiro gol cearense, após cobrança de falta no fim da primeira etapa.

Veio o segundo tempo e um campeão carioca com uma postura de time grande. O time de Luxemburgo afunilava os alvinegros em seu campo e cansava de perder gols. Ora com Thiago Neves, ora com Deivid, enfim. Isso sem falar do R10, que mesmo longe do que se espera dele em campo, correu, se dedicou e buscava a partida. Como quem não faz leva, veio o segundo gol dos visitantes - Geraldo.

O Engenhão era só vaias, e críticas, quando Luxa colocou Fierro no lugar de Rodrigo Alvim, e na saída de Deivid para entrada de Wanderlei. Esse tem estrela, entrou e marcou. a torcida voltou a apoiar, mas FH estava demais, a bola insisitia em não entrar. Mas, sorte do Flamengo, pois no fim, Geraldo perdeu o que pode ser considerado na semana que vem, o gol que daria a classificação. Aposto na reação rubro-negra, uma vez que é acostumado a cobranças e por atuar melhor fora de casa nesta Copa do Brasil.

Até a próxima!!