quarta-feira, 25 de maio de 2011

SONHO DE MENINO - Por Rodrigo Curty

Hoje a noite promete fortes emoções aos torcedores do Santos no duelo entre o time da Vila Belmiro contra os paraguaios do Cerro Porteño, no Pacaembu. Os mesmos já se enfrentaram na fase de grupos. Vitória do Peixe por 2x1, em Assunção e empate em 1x1, na Vila. O duelo agora será válido pelas semifinais da Libertadores da América. Por isso, arrisco afirmar que uma emoção ainda maior já consome os jogadores santistas e seu comandante Muricy Ramalho.

Os motivos são vários. Após um início conturbado em 2011, com direito a mudanças no comando, boatos de saídas de jogadores e risco de eliminação precoce, com a chegada de Muricy tudo mudou. Aquele time criticado, aquela defesa vazada e o comportamento desequilibrado deram espaço para o bom momento da equipe. A conquista do Bicampeão paulista e atualmente com um time mais sólido atrás, inteligente no meio e forte na frente, apesar dos poucos gols, o pensamento de conseguir uma das vagas na finalíssima do torneio continental após oito anos é palpável.

Se em 2003 aquele Santos tinha em campo nomes como o de Alex, Renato, Elano, Diego e Robinho, e perdeu a final para o Boca Jrs, agora será a vez dos novos meninos da Vila mostrarem seu valor e fazer história. A confiança está depositada principalmente em Elano, que desta vez espera levantar a taça e Neymar, o garoto que amadureceu dentro e fora de campo. Paulo Henrique Ganso, outro destaque desta equipe, fica de fora por contusão, mas vai estar na torcida.

A diferença dos times é absurda dentro e fora das quatro linhas. Apenas para se ter uma ideia, o Santos recebeu em 2010 por direitos televisivos o valor de R$32 milhões. Em 2012, este valor deve dobrar. Já o Cerro, recebe hoje míseros R$2 milhões. O principal jogador paraguaio é o argentino Juan Iturbe, 17 anos. É comparado inclusive com o Messi, enfim, acaba de ser vendido para o Porto(POR) por apenas R$3,5 milhões. Já Neymar, por sua vez, vale em torno de R$100 milhões. Muitos são os fatores como o poder da nossa moeda em comparação aos vizinhos do Mercosul, mesmo assim penso que não justifica.

De volta ao duelo da noite, independente desta diferença, o futebol mostra a cada dia que nem sempre o melhor time tecnicamente, o mais rico e estruturado é o que vence. Muitas das vezes a determinação, a coragem e a sorte para colocar a bola na rede quando a oportunidade aparece pode fazer a diferença.

A torcida é para que a partir das 21h50, a zaga liderada por Edu Dracena permaneça regular com Rafael e Durval, os laterais Léo e hoje na direita Pará, e o forte meio formado por Danilo, Arouca e Adriano funcione bem para abastecer Elano, que faz às vezes de Ganso, Zé Eduardo e Neymar que promete novo drilbe, resolvam na frente. Desta forma, o sonho dos meninos em fazer história começa aos poucos a se tornar realidade.

Até a próxima!