domingo, 29 de dezembro de 2013

UM SER MORTAL - Por Rodrigo Curty

A madrugada deste domingo tinha tudo para ser maravilhosa para Anderson Silva, mas não foi bem isso que aconteceu. A atmosfera que foi gerada no UFC 168 durante toda a semana para a grande revanche dos pesos-médios entre "Spider" e o americano Chris Weidman era evidente. Motivos não faltavam, entre eles do que muito se falou do combate, tido como do século, uma vez o americano no meio deste ano fez o que muitos desacreditavam, nocauteou o brasileiro.De provocações, confiança, muito respeito, menosprezo, enfim fez com que a expectativa fosse de um duelo mais que eletrizante.
Desta vez a luta era outra, e estava nítido como o brasileiro esteve mais centrado, menos confiante de que poderia vencer quando bem entendesse, contou com uma torcida para não dizer maior, dividida dentro da casa do adversário.
Anderson se preparou super bem para a luta. No primeiro round segurou bem a ofensiva na marca registrada de Weidman que é o solo. Apanhou e bateu, foi testado e testou, e sinceramente ganhou a certeza que poderia levar a luta até o último round, e simplesmente fazer o que faz de melhor que é o ataque com seus belos chutes.
A questão é que desta vez seu importante golpe o venceu pouco antes dos 2' do segundo round.Em trocas justas de socos e chutes, em um deles veio a fatalidade. Anderson aplicou um chute de esquerda tão forte que após o belo bloqueio do americano viu sua perna dobrar, e consequentemente quebrar.
É fato que esta lesão cinematográfica e com certeza a mais dolorida da carreira permanecerá para sempre na memória do lutador brasileiro.
O importante é que a cirurgia foi um sucesso. Anderson passa bem no hospital de Las Vegas, mesmo após ter inserido uma haste intramedular em sua tíbia esquerda. Sua fíbula quebrada foi estabilizada e felizmente ele não precisará de uma cirurgia à parte. 
Agora é aguardar pela alta que deve ocorrer nos próximos dias. Em relação a lesão, tudo leva a crer que o tempo de recuperação será de três a seis meses, o que deixa a dúvida sobre sua aposentadoria ou retorno ao octógono.
É em cima disso que quero falar. Independente de lesão, vitória ou derrota, chateia e irrita ver a quantidade de brasileiros que vibraram com a perna quebrada de Anderson. O Brasil há muito tempo carece de novos ídolos, e Anderson deve ser considerado um destes, mas por que respeitá-lo em sua totalidade? Mesmo um dos maiores que surgiu por aqui fora do futebol como Ayrton Senna, que também tinham seus críticos não era 100% amado. A questão é que esse jamais será questionado sobre suas atuações dentro e fora das pistas.
O problema é que os que surgem sofrem e precisam administrar muito bem a cobrança e a falta de consideração de alguns ignorantes para não dizer outra coisa. Basta uma derrota para promessas ou atletas natos serem menosprezados, questionados e insultados. Entre tantos exemplos cito César Cielo, Fabiana Murer, e talvez nosso último que é amado por todos, o tenista Gustavo Kuerten. 
No caso de Anderson Silva o buraco é mais embaixo. Seu jeito às vezes arrogante, confiante e frio incomoda os que esperam uma atitude mais humilde, respeitosa e amigável. Outro fator é a entrada de atletas no campo"futebol". Anderson representa o Corinthians, logo ganha a antipatia de rivais que torcem contra e não se fazem brasileiros. Para esse também vale a dica. Comportamento assim também tem suas lições, e muitas das vezes, a vida ensina quando se menos espera e quando estamos mais confiantes. No caso da luta, a lição foi dada pela forma como o brasileiro conduziu o novo confronto. E é bom que ninguém se esqueça que o lutador goste você ou não é um ser mortal, um ser humano como qualquer outro.  
Por isso, jamais poderemos deixar de valorizá-lo pelo que fez, faz e como representa o país. Vale lembrar que mesmo na nova derrota, Spider merece e muito o nosso respeito. São 39 lutas na carreira, sendo apenas seis derrotas. Foram 16 defesas do cinturão, vitórias maiúsculas, algumas até questionadas e consideradas por sorte. Pelo amor de Deus, Anderson não precisa provar nada para ninguém. É o maior nome do MMA no mundo, e considerado em todas as categorias.
Hoje o mundo MMA se pergunta o que será do brasileiro daqui para frente. Será que ele volta? Aposenta? Por questões físicas e mental ele pode voltar e encerrar a carreira com o cinturão novamente em mãos, mas por desejo, provavelmente seja melhor parar. Próximo de seus 39 anos, vida feita, academia para novos"Andersons", por que continuar? 
Em relação aos patrocinadores, contratos em vigência o que se sabe é que o presidente do Ultimate, Dana White, prometeu todo o apoio para cuidar da saúde do lutador e acredita que se Spider voltar, isso se dará provavelmente apenas no fim de 2014.
Por enquanto vale a torcida pela sua recuperação, as mensagens de apoio e o agradecimento dado pelo lutador que admitiu ter dado o seu melhor. 
E justiça seja feita, independente da forma que foi, parabéns ao lutador Chris Weidman que chegou a sua 11ª luta e sua 11ª vitória. A imagem mostra a dor, e sem sensacionalismo será sempre lembrada quando se falar da defesa do título. 
Agora é bola para frente e a torcida para que Vitor Belfort tire o cinturão do americano e coloque o Brasil novamente em evidência no mundo das lutas.
Até a próxima!