quinta-feira, 11 de setembro de 2014

SUSTO NO INÍCIO E ALÍVIO NO FINAL - Por Rodrigo Curty

O fechamento da primeira  rodada do returno da série A teve a vitória de Corinthians e Cruzeiro.
O primeiro fez o placar mínimo sobre o Atlético MG que jogou bem. Sem entrar no mérito, o gol da vitória foi marcado por Petros, que saiu de uma punição de 180 dias para apenas três partidas, devido a suposta agressão no árbitro Raphael Claus. Coisas do STJD, que sempre causa polêmicas e tira a credibilidade das competições nacionais, afinal no duelo pela Copa do Brasil entre o Timão e o Bragantino, o atacante Paolo Guerrero foi flagrado pelas câmeras dando um empurrão no árbitro Leonardo Bizzio Marinho e dias mais tarde foi absolvido pelo órgão. Será que está liberado empurrões, xingamentos e o que cada atleta bem entender contra a arbitragem?
Mas o clube não tem nada a ver com isso, fez a sua parte na defesa, mas é chato e óbvio não pensarmos que nem sempre há um peso e medida igual.
Enfim, no Brasileirão o Corinthians segue regular, Mano Menezes não tem 100% de apoio da torcida e o time pelas peças que tem poderia render bem mais. Pela fraqueza e equilíbrio técnico das equipes, aos poucos o alvinegro sobe na tabela, se mantém no G4, o que é aparentemente objetivo do clube no ano. Vamos aguardar para ver se consegue voos maiores.
Na Arena Mineirão, não é que o Bahia deu um susto no líder do campeonato brasileiro? Pois é, os comandados de Gilson Kleina jogaram de igual para igual na primeira etapa, abriram o placar com Rafael Miranda, contaram com a sorte das bolas do Cruzeiro irem na trave e com noite inspirada de Marcelo Lomba. Mas na etapa final, um pênalti bobo e expulsão do zagueiro Titi ajudaram a culminar com mais um tropeço que para alívio foi apenas de 2x1, gols dos recém convocados da Seleção Brasileira, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart.
Os mineiros estão voando. Foram 30 chutes, um massacre na meta baiana e que ainda quase empatou no final. Sorte de campeão? Pode até ter um pouco, mas para ter sorte também tem que ter competência e, isso ninguém pode duvidar que os comandados de Marcelo Oliveira têm.
 Até a próxima!