quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

TODO PODEROSO TIMÃO - Por Rodrigo Curty


A noite de 04/02/2015 não será esquecida tão cedo pelo torcedor corintiano. É que finalmente o dia de estreia na competição que mais importa no ano chegou e com ele todo clima que envolve a Copa Libertadores. O Corinthians antes de encarar o Once Caldas (Col) precisava vencer o fantasma da eliminação contra o Tolima, na mesma fase, mas no ano de 2011.
É claro que o clima era completamente diferente deste histórico momento negativo do Timão. O adversário também, afinal até taça os colombianos já levantaram, no ano de 2004.
O Corinthians  também vive um momento diferente. O clube passou de maior arrecadador em 2012, quando conquistou a Libertadores e o mundial para o posto de um dos mais endividados no ano passado. Os motivos são vários. Má administração, deslumbre, pessoas que pensam mais em si do que no clube, entre outras coisas. Se tem algumas coisas que não podemos afirmar, em outras é fato de que os números não mentem.  Em 2012 foram mais que R$350 milhões de reais contra menos de R$200 milhões no ano passado.
Hoje a realidade é outra. O clube atrasa pagamento, sofre com a sonegação de impostos, receitas pontuais, dívidas em uma crescente e sem a mesma força no mercado publicitário. Fora isso, no próximo sábado terá um novo presidente. Hoje são 1800 sócios aptos a votar, mas o número pode sofrer mudança, por estar desatualizado e por inclusão de idosos votantes. Vale tudo para controlar o clube.
De volta ao presente, a única saída desse cenário é vencer no campo para resgatar a força do passado.
E foi assim que começou a trajetória do sucesso. A Arena Corinthians lotou e a torcida fez como sempre o seu papel. Empurrou a equipe para mais um triunfo. É bem verdade que nem o mais fanático e otimista torcedor poderia esperar um gol aos 30”. Sim, Emerson Sheik tratou logo de calar aqueles que acreditam que ele não é o mesmo da conquista de 2012. Besteira, essa competição é de tiro curto e precisa de jogadores com sangue nos olhos e com características para suportar o que vier e isso o atacante corintiano tem de sobra.
A partida foi tensa, apesar do elástico placar de 4x0 que talvez tenha sido possível, graças a gol mal anulado do adversário quando ainda estava 1x0. Fora isso, as provocações, expulsões e comprometimento ocorreu até o final. Foi uma partida digna do torneio e com belos gols. Os outros marcados por Felipe, Elias e Fagner merecem ser vistos novamente.
Na partida de volta na semana que vem, a tendência é que a pressão exista, mas a experiência, foco e tranquilidade como é característica das equipes comandadas por Tite deve nos trazer novamente mais uma vitória brasileira. É aguardar para ver.
Até a próxima!