quinta-feira, 24 de setembro de 2015

TRICOLOR GANHA BEM E É O MELHOR MANDANTE DAS QUARTAS DA COPA DO BRASIL - Por Rodrigo Curty


E às quartas de final da Copa do Brasil foi eletrizante. O curioso é que apenas o São Paulo fez bem a sua lição de casa como mandante. Internacional, Fluminense e Figueirense não conseguiram triunfar, mas ainda podem se classificar. Vamos aos jogos.
No Orlando Scarpelli, o time da casa recebeu o Santos. Diferente do que ocorre no Brasileirão, o Peixe conseguiu ir bem fora de casa. Dorival Jr mais uma vez entrou com um time bem ofensivo. Por ter mais técnica ficou nítido o jogo entre um time que joga no ataque contra outro de contra-ataques. Para o Figueirense restou esperar pelas chamadas “bola do jogo” que foram poucas.
O time da Vila Belmiro mandou do início ao fim, teve um gol mal anulado, porém  venceu por 1x0, gol de pênalti de Gabriel. Na partida de volta, no Pacaembu, a tendência é que a classificação venha sem muita dificuldade, mas é bom respeitar.
No Beira – Rio o Internacional só não perdeu porque a “mira” dos palmeirenses estava aquém das expectativas.  Os comandados de Marcelo Oliveira mandaram no jogo. Sempre mais perigoso e melhor postado, o Verdão cansou de perder oportunidades. Ora com Barrios, que ainda perdeu um pênalti, ora com Gabriel Jesus, e por aí vai. A velha máxima de quem não faz, leva entrou em campo. O capitão do Colorado Alex, que vinha apagado, acertou um belo chute de fora da área, sem defesa para Fernando Prass. Parecia que a porteira seria aberta, mas não. Daí para frente, o que se viu foi uma blitz do time paulista. Bola na trave, Alisson defendendo e muitos erros de finalizações. Foi aí que entrou a mão do treinador. Com poucos minutos em campo, a estrela de Rafael Marques brilhou. Em cruzamento perfeito de Lucas, o atacante cabeceou sem chances para o arqueiro Colorado. E o placar seguiu até o final, com direito a reclamação dos palestrinos em penalidade não marcada em Gabriel Jesus. O tabu segue mantido para o time da casa, mas na partida de volta, tudo leva a crer que o time paulista se classifique, basta não levar gols. Será que dá? Vamos aguardar.
No Maracanã, o Fluminense mais uma vez não conseguiu vencer. Nervoso e sem vibração, o time das Laranjeiras chegou à nona partida sem saber o que é vencer. A estreia do novo treinador, Eduardo Baptista não foi como ele esperava, mas um placar sem gols pode ser, pelo incrível que pareça um bom resultado. Basta empatar com gols para o tricolor carioca avançar. A questão é que no Brasileirão, a realidade mais próxima é a da zona de rebaixamento. Difícil cravar o que poderá ocorrer, mas que o Grêmio deve fazer sua parte em casa, hoje ninguém dúvida. É esperar para ver.
Já no Morumbi, o São Paulo passeou contra o Vasco. Juan Carlos Osório finalmente acertou na escalação. Depois de tropeços, decepções e inconstância no nacional, ficou provado que o sonho de conquistar o título que falta na galeria do tricolor é de fato uma realidade. Nitidamente chateado com a “cultura brasileira”, o colombiano pode estar de malas prontas para o México. Enquanto isso não se desenrola, Osório segue no comando. Ontem o Vasco não foi um adversário fácil, apesar do placar de 3x0, dois gols de Pato e um do carrasco Luis Fabiano, que marcou o seu 11º contra os cariocas. O time Cruz-Maltino, aliás, ainda reclamou de penalidade não marcada, o que concordo e de falta no segundo gol, o que discordo. Por falar no gol, a fase de Pato é impressionante. O gol que deu início à vitória foi o de número 3000 no estádio. Pato é o maior goleador da equipe no ano (24 gols marcados), quer ficar e colocar o nome na história do clube com um título. O sonho é possível, porém o time quando parece que vai, tropeça. Resta saber se será assim na partida de volta e na sequência, provavelmente no clássico contra o Santos. Vamos aguardar.   
Agora as atenções se voltam para o Brasileirão. Dependendo do que acontecer, semana que vem, poderemos ter surpresas.
Até a próxima!