quarta-feira, 22 de março de 2017

MILTON, UM HOMEM DE FÉ - Por Rodrigo Curty

E o Vasco da Gama voltou a vencer. Longe de empolgar a torcida com o futebol apresentado na vitória magra de 1x0 sobre o Madureira, graças a um erro infantil do zagueiro e oportunismo do novo "meia" Yago Pikachu. Só que o valeu mesmo para o time foi a mudança de comando fora das quatro linhas. 
O novo treinador, Milton Mendes, conhece bem o clube e é um homem de fé. Não que os outros que passaram não sejam. O fato é que a fé é intrínseca no treinador, queira seja por ancoragem ou não, carrega nos jogos um terço em suas mãos, e a todo momento troca de uma mão para outra, fechando em punho. O comandante apenas deixa de usar o objeto, quando passa instruções aos seus jogadores.
O curioso é que o presidente do clube, Eurico Miranda também é bastante religioso e frequentador de missas católicas. O estádio de São Januário para quem não sabe conta com uma pequena capela atrás de um dos gols.
É claro que religião e fé serão importantes para o crescimento do Cruz-Maltino na temporada, mas apenas elas não resolverão. O time ainda não engrenou e tão pouco mostrou um bom futebol até aqui. As contratações foram feitas, ao meu ver até interessantes e agora será necessário formatar um "time" de 11 jogadores e principalmente um "elenco" unido e engajado para não fazer feio. Milton Mendes é um bom nome se levarmos em consideração o trabalho de transformação realizado em outros clubes que passou. 
Pelo fato do treinador ter o aval, a confiança do presidente, que aliás, afirmou na coletiva de apresentação, que o Vasco estará na Libertadores do ano que vem, tudo indica que quem não topar o planejamento e ações pensadas pelo técnico dará adeus. 
O mundo do futebol já provou que nem sempre a competência é o que vale. Treinador vive de resultados, por mais nome que ele tenha. Milton não é um "medalhão" e isso pode ajudar, desde que tenha a simplicidade, humildade e afinidade com os mais experientes - Rodrigo, Nenê, Luis Fabiano, por exemplo. 
Mesmo assim, é bom que se diga que ele terá que ter muito pulso, comando e jogadores na mão, afinal nem só de fé vive o homem, e nem só dela se consegue os resultados esperados. Mas há de se concordar que aqueles que têm fé chegam longe. 
No domingo o Vasco encara o Flamengo, que sobra na liderança e se dá ao luxo de fazer mesclagens na equipe, além de pensar mais na Libertadores. Será um ótimo teste e qualquer erro poderá ser fatal para a manutenção da paz na Colina. 
Vamos aguardar para ver como termina a história que começou positiva de Milton Mendes no Vasco. A torcida não quer perder a fé e muito menos a esperança de dias melhores.
Até a próxima!