quarta-feira, 28 de junho de 2017

CHAPECOENSE E CORINTHIANS NA SULAMERICANA - Por Rodrigo Curty

A Copa Sul-Americana é um desejo de muitos clubes do Brasil. Para alguns vale para se afirmar, enquanto para outros para fazer história. Muito bem, foi assim que Chapecoense e Corinthians jogaram essa noite.
O primeiro foi até Buenos Aires encarar a surpresa da competição, a equipe da Defensa y Justicia, que na fase anterior eliminou o São Paulo, em pleno Morumbi. A Chape busca o bicampeonato e sabe que para isso terá fazer muito mais do que o demonstrado. 
O erro de esperar por uma "bola" e aceitar a pressão do adversário custou caro. Por pouco o time de Wagner Mancini não sai com um empate honroso, uma vez que jogou com um a menos, após a expulsão infantil de Andrei Girotto no começo da etapa final. 
Mas de tanto insistir os argentinos mereceram o placar magro, porém importante por 1x0 aos 49'. Na partida de volta, no dia 25 deste mês, os brasileiros têm tudo para reverter a vantagem, mas para isso terá que ter afastado a má fase. O time perdeu a sua quarta partida seguida. Força Chape!
Já na Colômbia, o time reserva do Corinthians mediu forças contra o desconhecido Patriotas. O técnico Carille, visando a manutenção da liderança no Brasileirão e para evitar um desgaste maior de seu elenco resolveu poupar quatro importantes titulares - Guilherme Arana, Maycon, Jadson e Jô.
A partida foi disputada no estádio La Independência sobre uma altitude de 2.800m e com um gramado alto, fofo e pesado. O Timão sentiu a dificuldade, mereceu perder pelo péssimo futebol apresentado. Porém, graças a sua principal característica, o de não se entregar até o final, conseguiu um empate com o zagueiro Balbuena já no apagar das luzes e aumentou sua invencibilidade para 24 partidas.
Na partida de volta, no dia 26/07, dificilmente o Corinthians cometerá os mesmos erros, principalmente o demonstrado no 1º tempo contra o ajustado time colombiano. Pelo contrário, deve passar e com folga se jogar com a força máxima. 
O que fica de lição na verdade nesse empate é o que eu já imaginava. Falta à equipe um elenco mais fortalecido no banco de reservas. O plantel é reduzido e sem a presença de jogadores que formam a espinha dorsal que atua como música, que leva pressão, mas quando dá o bote se consagra fará falta em outras oportunidades. Por isso é bom aumentar ainda mais a gordura no Brasileirão, caso contrário, o momento atual será de um sonho bom que não durou até a sua plenitude.
Até a próxima!