sábado, 14 de novembro de 2009

O RETORNO DE UM CAMPEÃO - Por Rodrigo Curty

O texto de hoje é uma homenagem aos meus familiares e amigos que torcem para o Clube de Regatas Vasco da Gama. Estou anos luz de torcer a favor ou de me tornar um vascaíno, mas como jornalista esportivo não poderia deixar de registrar a volta de um tradicional clube a Série A. Feito já conquistado por Corinthians, Atlético MG, Grêmio, Palmeiras, entre outros.
A noite de sexta-feira 13 não poderia ter sido melhor para a torcida vascaína em todo o Brasil. É bem verdade que a histórica data para a nação cruzmaltina foi a do dia 07/11, pois resultou no retorno da equipe do Vasco da Gama a elite do futebol Brasileiro, após a vitória de 2x1 contra o Juventude.
Mas nesta data que apavora muitas pessoas, principalmente os mais superticiosos, a equipe bem dirigida pelo técnico Dorival Júnior e presidida pelo apaixonado e correto Roberto Dinamite se consagrou o campeão da Série B de 2009, após a vitória de virada por 2x1 sobre o América de RN.
O ano por sinal foi de total reestruturação na tradicional equipe carioca. Muitos funcionários foram demitidos, uma nova comissão técnica formada, jogadores de baixo custo chegaram e parcerias como Eletrobrás foi concretizada para cumprir a missão. Mas um dos fatores mais importantes foi a criação do marketing em cima da entidade. "O Vasco é meu" que tinha como objetivo arrecadar 100 mil sócios torcedores, na primeira semana já havia obtido 30 mil. E o slogan " O sentimento não pode parar".
O ano foi maravilhoso para o clube carioca que relativamente fez um bom estadual, surpreendeu na Copa do Brasil e conseguiu uma campanha brilhante na Série B. As dívidas ainda são orbitantes, mas a folha salarial aparentemente estão mais equilibradas. Resta saber é que se agora de volta a Elite o deslumbre não venha à tona. O maior exemplo a ser seguido talvez, seja o do Corinthians. Voltou, manteve a base, e conseguiu fazer caixa com venda de jogadores importantes como André Santos, Cristian e Douglas. Hoje se prepara para ter um centenário histórico.
O presidente e ídolo vascaíno Roberto Dinamite deve manter os pés no chão e continuar com um planejamento equilibrado, mas também se preocupar em reforçar a equipe que está longe de ser uma potência, porém que possui um equilibrio táctico e emocional.
Ter ídolos é importante como Carlos Alberto, o goleiro Fernando Prass, e meninos que podem valer muito na frente como Alex Teixeira e o já negociado Phillipe Coutinho, porém o mais importante é resgatar o respeito e a dignidade deste clube de mais de 12 milhões de torcedores no país.