quarta-feira, 13 de junho de 2012

A MELHOR TEORIA - Por Rodrigo Curty

E hoje a bola rola por diversos torneios no mundo do futebol. Destaques para a belissíma Eurocopa, Copa do Brasil e Libertadores da América. É exatamente este o torneio que comento hoje.
Uma das semifinais da competição continental será entre os paulistas Santos e Corinthians. Rivais de longa data, e ambos com uma história sensacional de títulos e paixões, sem sombra de dúvida, os duelos serão eternizados no coração de cada um dos torcedores.
A primeira partida será na Vila Belmiro, a casa do Peixe. O local é visto para muitos como um equívoco. Na minha opinião, o fato do torcedor santista está acostumado a ver seu time a decidir partidas cruciais, teoricamente quando quer, pode ser um fator negativo. O ataque é fantástico. O elenco é forte e calejado há um bom tempo com decisões deste porte. Assim não teria como encarar o rival fora de seus domínios, apesar do alto risco que o adversário do porte alvinegro poderá causar.
O Corinthians está mais amadurecido no torneio, não se afoba ou perde a cabeça pra provar ao torcedor que aprendeu a segurar a pressão do tão sonhado título. Aprendeu a ter calma e jogar o prático e não o bonito. Fora isso não leva gols. Joga sempre por uma bola, seja ela parada ou contra-ataque. 
Vejo esta primeira partida com uma pequena vantagem para o Santos por um motivo simples. O Timão deve entrar em campo pra não levar gols, porém caso se empolgue em algum momento dará a chance do bote santista, ou seja, as subidas de Paulinho e a necessidade dos laterais cobrirem o meio poderão ser um prato cheio pra Juan e Neymar, além de Elano e Ganso aproveitarem os espaços. 
Por outro lado se o Corinthians marcar um gol, as chances de reverso será difícil, a não ser que o Santos pense em uma estratégia que não as bolas alçadas na área. Vai precisar e muito da bola parada e dos chutes despretenciosos de fora da área. 
Em 180 minutos não há favoritos, mas há uma teoria a ser colocada em prática. A de que a melhor defesa é o ataque, ou o melhor ataque é a defesa? Hoje se a vantagem é teoricamente santista, na partida de volta ela passa a ser corinthiana, independente do placar da noite. 
Ingredientes para dois grandes jogos não faltam. Um time que joga unido, contra um que tem na individualidade sua principal arma. Dois goleiros que terão que provar serem capazes na hora da decisão. Dois treinadores que terão a missão de controlar os nervos e indicar o melhor caminho aos seus jogadores. Faça a sua aposta e que vença o melhor. 
Até a próxima!