sexta-feira, 5 de abril de 2013

INEXPLICÁVEL TRICOLOR - Por Rodrigo Curty


E situação do São Paulo se complicou na Copa Libertadores. O tricampeão do torneio buscava pelo menos um empate contra o The Strongest, da Bolívia, mas perdeu muitos gols, falhou em lances pontuais, e acabou derrotado por 2x1.
O jogo foi bastante equilibrado. Ambas as equipes buscaram os gols. Para o time da casa, apenas a vitória interessava. A pressão foi grande e o maior obstáculo para o tricolor foi à temida altitude. Longe de colocar isso como um fator determinante para a derrota da equipe brasileira, porém é fato que na primeira fase, na repescagem, o Bolívar se aproveitou desta artimanha e virou o que parecia impossível e fez 4x3 nos comandados de Ney Franco.
Na partida de ontem ficou claro que apesar da falta de controle emocional, Luis Fabiano é mais do que necessário ao ataque. Aloisio e Osvaldo não são goleadores e estão anos luz do Fabuloso, que punido pela Conmebol desfalcará o time também na partida do ano contra o Atlético MG.
A partida é considerada a mais importante da temporada porque o que parecia fácil se complicou. Antes do início da competição, tanto a equipe paulista como a mineira eram dadas como favoritas as duas vagas do grupo 3, porém se o Galo se sobressaiu e faz a melhor campanha de todos os representantes com cinco vitórias e 100% de aproveitamento, o Soberano falhou contra o Arsenal(Arg), onde somou apenas um ponto, sofreu para ganhar dos bolivianos, em casa por 2x1 e sucumbiu contra os mineiros. Desta forma, muitos não acreditam que a vitória venha daqui a duas semanas no Morumbi, e o pior, que o resultado no duelo de argentinos e bolivianos seja favorável. Depender de outros resultados é algo terrível, mas possível, apesar de termos a certeza que os comandados de Cuca farão de tudo para fecharem a fase de grupos com chave de ouro.
O que é certo afirmar é que mesmo os placares sendo favoráveis, muitas coisas precisam mudar no tricolor. É bem verdade que equipe lidera o Paulistão, joga relativamente bem em alguns momentos, sofre com a má sorte, e arrisco dizer que conta com problemas internos que aos poucos serão pulverizados.
Ney Franco aparentemente ainda tem a confiança do presidente Juvenal Juvêncio que admite reformular o elenco. É nítida a falta de lateral de ofício do lado direito e a insatisfação do torcedor aos que representam o lado esquerdo, a zaga não se entrosa e falha constantemente, os volantes e meias se confundem e o ataque, bem este precisa urgentemente melhorar tecnicamente. Outro ponto importante é que um grande clube começa com um grande goleiro. Rogério Ceni faz parte disso, porém atravessa uma péssima fase, admite que tenha culpa por ser o capitão, mas não admite os erros pelas falhas. Ontem falhou nos dois tentos bolivianos. Craque precisa saber a hora de parar, mas o pouco que conhecemos do RC, ele não entregará os pontos na atual situação.
É aguardar para ver qual será o próximo capítulo do grupo 3. Agora, sinceramente, a Libertadores na fase seguinte é outra história. Vale mais um planejamento do que ser o melhor, fora isso a tradição é fundamental, e isso o tricolor tem de sobra, por isso é bom os rivais não vacilarem.