terça-feira, 28 de outubro de 2014

A FORÇA DO SÃO PAULO - Por Rodrigo Curty


A segunda-feira teve bola rolando para o fechamento da 31ª rodada do Brasileirão, série A. No Morumbi, com um bom público, o São Paulo recebeu o Goiás, em busca dos três pontos e para se aproximar do líder Cruzeiro.
O tricolor entrou bem disposto e antes dos 10’ já vencia por 2x0, gols do zagueiro Edson Silva e do atacante Luis Fabiano. Na segunda etapa o time goiano até que tentou uma reação, mas o terceiro gol, marcado por Alan Kardec decretou a derrota. O lateral Michel Bastos foi o grande destaque da partida, participou dos gols e buscou o jogo. Com bom toque de bola e se defendendo bem aos ataques do Esmeraldino, os comandados de Muricy Ramalho provaram que podem surpreender e alcançar o que para muitos é impossível, o título de campeão brasileiro.
Ora, não é de hoje que considero o torneio equilibrado e com um nível técnico baixo, desta forma, uma equipe como a do São Paulo que é acostumada a conquistar campeonatos improváveis merece todo o respeito. Faltam sete rodadas e, sinceramente ainda imagino que teremos surpresas. Não sei se o título saíra do Cruzeiro, mas que a corda começou a apertar de vez, isso ninguém pode duvidar. Não podemos nos esquecer, apesar da diferença de sete pontos, que o Atlético MG também corre por fora.
É bem verdade que a Copa do Brasil e a Copa Sul-Americana podem pesar no caminho dos que ainda disputam essas competições. Mudar a chave não é fácil, e muitas das vezes quem deseja tudo, nada tem. O Cruzeiro é uma dessas equipes. Se a Copa do Brasil é um desejo, creio que o torcedor prefira abrir mão à conquistar o Tetra Nacional. A questão é que o elenco homogêneo pode triunfar em ambos e a cobrança e obrigação já se faz presente. Já Santos e Flamengo buscam a afirmação, apesar de suas reais limitações. Querem terminar o ano com chave de ouro. O Atlético MG corre por fora e tem tudo para triunfar em algum dos torneios. Na competição sul-americana, o São Paulo é o único representante brasileiro vivo. Vai encarar a cansativa viagem ao Equador e um adversário chato de jogar. Tem muita coisa pela frente. Vamos aguardar.
Em paralelo, teremos uma outra competição. O torneio dos desesperados. Sim, a briga para se manter na Elite deve ser ainda melhor. Do 12º para baixo não tem  nada decidido. Teremos confrontos diretos entre essas equipes. Faça a sua aposta, a minha é de que provavelmente teremos dobradinha de Estado caindo abraçados. Será?
Até a próxima!