quarta-feira, 26 de novembro de 2014

A FINAL QUE MINAS MERECE - Por Rodrigo Curty


E chegou o grande dia na vida de cruzeirenses e atleticanos. Hoje conheceremos o campeão da Copa do Brasil. A Raposa já sentiu o gosto em quatro oportunidades, mas o Galo busca o título inédito. A rivalidade é enorme e cresce ainda mais pelo fato de ser uma final inédita, no que diz respeito o âmbito nacional.

Minas Gerais há três anos domina o cenário do futebol. A receita foi simples, a organização, planejamento e vontade de apagar os maus resultados que quase rebaixaram ambas as equipes em 2011 se transformaram em glórias e respeito pelos adversários.

Hoje Belo Horizonte vai parar e pena que os bons tempos de divisão nas arquibancadas não se repetirá, por causa da violência e marginais fantasiados de torcedores, mas vamos falar de coisa boa.

Fora os ingredientes que já fazem parte no confronto, a expectativa de cada torcida é recheada com algumas curiosidades.
O Cruzeiro, atual campeão brasileiro quer repetir o triunfo de ter a tríplice coroa como no ano de 2003. O confronto ainda conta com um tabu de 1972 a favor. Naquele ano a Celeste manteve oito jogos de invencibilidade sobre o rival, que por sua vez em 1938 ficou sete jogos invicto, algo que pode se repetir essa noite. Se O Galo não perdeu, por outro lado deixou de conquistar o mineiro. Foram três empates e título azul, devido melhor campanha. No Brasileirão a história foi outra. Duas vitórias alvinegras.
O palco de hoje não é o mesmo Magalhães Pinto e sim a Arena Mineirão. Esse por sinal um bom presságio para os atleticanos. Desde a reabertura do estádio, já foram conquistados um Mineiro, uma Libertadores e a Recopa Sul-Americana.
A expectativa é de uma bela partida. Disputa pela bola, catimba, provocações e nervosismo desde o início. Pena que deveremos ter muita chuva, gramado irregular e pouca técnica, logo caberá saber quem estará melhor nas jogadas aéreas, o que deve ser a tônica de hoje.
No primeiro encontro no estádio Independência o Galo levou a melhor. Abriu boa vantagem de 2x0 e pode até perder por 1x0 ou mesmo placar para decidir nos pênaltis quem levantará a taça. Um gol atleticano fará com que a Raposa busque quatro gols, algo comum para os atleticanos, mas não impossível para o esquadrão azul que tem um ataque fulminante.  
É difícil saber quem é o melhor time. O título de certa forma ficará em boas mãos, afinal o Cruzeiro mantém a mesma pegada do ano passado, uma equipe ao meu ver mais homogênea e com mais opções táticas, porém o Atlético joga o melhor futebol. As alternâncias durante a partida, o espírito de luta e frieza para sair vitorioso e a vontade de fazer gols são empolgantes.
A noite também promete ser interessante no duelo dos técnicos. Levir Culpi faz um belo trabalho e calou de vez as críticas, uma vez que provou ter a capacidade de ter o elenco na mão. Já Marcelo Oliveira sorri à toa, divide as responsabilidades, opiniões e passa confiança.
Vamos ficar de olho em Victor, Fábio, Marcos Rocha, Egídio, Leonardo Silva, Bruno Rodrigo, Dátolo, Éverton Ribeiro, Luan, Ricardo Goulart, Tardelli e Marcelo Moreno e não esquecer dos coadjuvantes Rafael Carioca, Willian, Carlos e Lucas Silva.
Para te ajudar a pensar quem leva a melhor, confira as escalações.
Cruzeiro: Fábio; Willian Farias (Mayke), Léo, Bruno Rodrigo e Egídio; Henrique e Lucas Silva; Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart e Willian; Marcelo Moreno
Atlético MG: Victor; Marcos Rocha, Jemerson, Leonardo Silva e Douglas Santos; Leandro Donizete, Rafael Carioca, Dátolo e Luan; Diego Tardelli e Carlos
Faça a sua aposta. Quem levará a melhor?  Depois eu conto.
Até a próxima!