quinta-feira, 27 de novembro de 2014

GALO CONQUISTA A COPA DO BRASIL - Por Rodrigo Curty


E Minas está em festa com as cores de seus principais clubes. Se no domingo as ruas se enfeitaram de azul e branco com o tetracampeonato do Cruzeiro, ontem foi a vez da cor mudar para o preto e branco do Atlético MG.

O Galo conseguiu o feito inédito e levantou a taça da Copa do Brasil sobre seu maior rival. Na primeira partida, a vitória de 2x0 deu muita tranquilidade para a partida de volta, mas para quem esperava ver um Cruzeiro valente, ofensivo, sufocante e provando que era possível reverter o placar, viu um Atlético perfeito taticamente, veloz, disposto a ser campeão. A ressaca do título nacional não esteve somente no campo, mas também nas arquibancadas, que diga-se de passagem com vários espaços, o que é no mínimo lamentável, assim como o preço do ingresso cobrado.

A partida ficou aquém das expectativas, mas os comandados de Levir Culpi poderiam sair na primeira etapa com pelo menos três gols de vantagem, porém pararam na boa fase do goleiro Fábio e na falta de pontaria de Dátolo e Tardelli, que para evitar qualquer crítica fez o gol da vitória no final da primeira etapa e enlouqueceu os poucos e fanáticos torcedores presentes no Mineirão e milhares no estádio Independência que assistiam por um telão.

No segundo tempo o jogo parecia mais começo de temporada, o Cruzeiro errando muito, insistindo nas bolas aéreas e o Galo só administrando e jogando no contra-ataque.

O título foi mais do que merecido. O Atlético é na minha opinião o time que mais encanta no país. Joga o fino da bola. Busca a todo momento o gol, se adapta taticamente de acordo com o adversário, conta com muita velocidade e toque de bola. A campanha se não foi maravilhosa no início, ganhou proporções a partir das quartas de final, quando aplicou virada histórica de 4x1 para cima do Corinthians e depois repetiu a dose sobre o Flamengo. Faltava a cereja do bolo. Levantar o título inédito só tem esse peso todo porque foi em cima do maior rival, que de quebra teve a faixa do Brasileirão carimbada.

Apesar de ver a tríplice coroa escorrer pelas mãos o Cruzeiro também merece o nosso respeito. Provou ser um grande time do Brasil, homogêneo e valente, porém muito cansado emocionalmente e fisicamente. Poderia ter valorizado mais a conquista atleticana que agora se planeja desde já para buscar mais uma Libertadores. Resta sabermos se jogadores como Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Dátolo, Tardelli e Luan permanecerão ou se desmontarão a espinha dorsal. Olho neles novamente no ano que vem.

Parabéns ao futebol mineiro pelo exemplo que dá aos outros estados. A torcida é para que os grandes clubes do país possam se espelhar e fazer urgentemente a mudança de gestão, estrutura e profissionalismo. De 2011 para cá, a dupla mineira se reinventou e sinceramente sem nenhum dificuldade. Foi só pensar grande e fazer o básico para chegarem ao topo.
Até a próxima