terça-feira, 14 de julho de 2015

RIVER PLATE FAZ LIÇÃO DE CASA E PÕE UM PÉ NA FINAL - Por Rodrigo Curty


E após quase 50 dias, finalmente a Libertadores da América voltou para delírio da Nação Sul-americana.
Na primeira partida da semifinal, o duelo entre River Plate e Guaraní teve muitos ingredientes da competição. O Monumental de Nuñez estava lindo, completamente lotado e ensurdecedor.
No campo, o time da casa esteve nervoso, apreensivo e com dificuldades para furar a retranca paraguaia. O objetivo principal da equipe que não sabia o que era disputar uma semifinal há 10 anos, quando caiu diante do São Paulo era fazer o placar em casa para aí sim começar a pensar no tricampeonato.
E olha que o River Plate no início era uma equipe praticamente eliminada. Foi a última colocada dos classificados às oitavas, graças ao empate em 2x2 no apagar das luzes contra o Tigres(Mex). Mal sabiam que ali era o início da arrancada e resgate da confiança na competição. É verdade que os Millonarios ainda tiveram a classificação contestada por alguns nas oitavas contra o seu grande rival Boca Jr, no jogo do gás de pimenta, entre outras coisas. Eu discordo e penso que foi feito justiça. Prova disso foi o duelo nas quartas contra o Cruzeiro. Não teve jeito, os críticos tiveram que se render com a bela apresentação dos argentinos.
De volta a partida, o que se viu foi o time da casa sofrendo os mesmos problemas enfrentados por Corinthians e Racing nas fases anteriores. O time paraguaio é bem armado, sabe esperar para dar o bote e principalmente jogar pelo placar que interessa. Até então não havia levado gols nos duelos de mata-mata. Mas como diz o ditado de “água mole, pedra dura, tanto bate até que fura” veio à tona. Na bola parada o lateral direito Mercado apareceu de surpresa e furou o bloqueio do adversário. A pressão continuou e ganhou força com o incentivo das arquibancadas. Assim, veio o mérito ao melhor jogador da partida,  Rodrigo Mora. O atacante com frieza e precisão marcou um golaço por cobertura. Vitória mais do que merecida por 2x0 da equipe bem dirigida pelo ídolo Marcelo Gallardo e um pé já garantido na final, após 19 anos. Se hoje a tendência é de que haja festa na madrugada afora, a outra é de que não tem nada ganho, afinal o Guaraní já provou do que é capaz e não entregará o osso tão fácil para se tornar o novo Once Caldas e LDU da competição.
Vamos aguardar. A difícil missão será na próxima terça-feira, no também tradicional estádio do Defensores Del Chaco, no Paraguai. Quem vencer terá pela frente o vencedor do duelo entre Internacional e Tigres que medem forças a partir de amanhã, em Porto Alegre.
Até a próxima!