segunda-feira, 31 de agosto de 2015

21ª RODADA FOI PÉSSIMA PARA O VASCO E ÓTIMA PARA OS PAULISTAS - Por Rodrigo Curty


A bola rolou pela 21ª rodada do Brasileirão. O Corinthians segue firme na liderança, graças a vitória de 3x1 sobre a Chapecoense, que não pode se dar o luxo de perder pontos em casa. A folga de quatro pontos para o Atlético MG segue, porque esse venceu o Fluminense por 2x1 no Maracanã. O Galo merece respeito e quer retomar a liderança. Já Grêmio e o Palmeiras completam o G4.
Na zona de rebaixamento, o Goiás é o novo integrante, após a derrota para o Atlético PR que já encosta entre os selecionados para à Libertadores do ano que vem.
A rodada teve algumas surpresas. Na parte de cima da tabela, O Grêmio tropeçou contra o Coritiba. Esses pontos com certeza farão falta ao tricolor. Melhor para o Palmeiras que venceu o Joinville e diminuiu a diferença. O São Paulo também voltou a vencer. O tricolor parece ter finalmente encontrado a sua melhor formação.  Ganso jogou bem, mas não é bom criar muita expectativa. Se o time mantiver os pés no chão e não deslumbrar pode fechar entre os quatro primeiros. Quem vem logo atrás também merece atenção. Santos e Flamengo também venceram e provaram que podem continuar surpreendendo. O primeiro passou pelo Cruzeiro, fora de casa. A primeira vitória longe da Vila Belmiro valeu e muito. A Raposa que abra o olho, pois não dá sinais tão cedo de recuperação. Luxemburgo não deve ficar. A torcida perdeu a paciência. O rubro-negro carioca resgatou a sua confiança e provou que se jogar em casa como joga fora pode continuar surpreendendo. O Sport que perdeu por 1x0, não era derrotado há 30 jogos sob os seus domínios. O Leão começa a preocupar o seu torcedor.
O mesmo serve para o Internacional que não emplaca uma sequência de vitórias. Melhor para o Avaí que venceu por 3x0 e segue firme na luta pela permanência na elite. E o Vasco? Pois é, o time perdeu mais uma, desta vez para o Figueirense por 1x0. Definitivamente, o Cruz-Maltino segue firme para à sua terceira queda à série B em oito anos. Para 2015 não terminar apenas de forma negativa, apesar da diferença técnica para os outros que seguem na Copa do Brasil, a obrigação da conquista é evidente. Dá para acreditar? Futebol é no campo, mas não acredito nessa proeza.
Até a próxima!