quinta-feira, 22 de outubro de 2015

EFICIENCIA FAZ A DIFERENÇA NA COPA DO BRASIL - Por Rodrigo Curty


E a bola rolou para as primeiras partidas das semifinais da Copa do Brasil. Fluminense e Santos saíram na frente de Palmeiras e São Paulo.
No Maracanã, a torcida tricolor fez uma bonita festa para incentivar o Fluminense dentro do campo. O Verdão começou melhor e perdeu duas oportunidades para abrir o placar. Como quem não faz leva, o time carioca aproveitou a sua chance com Marcos Junior, após bela cabeçada de Fred.
Daí para frente o time da casa se acalmou, tocou a bola e pressionou o time paulista, marcando ainda no primeiro tempo o seu segundo gol com Gustavo Scarpa. Ainda, antes do intervalo, o atacante tricolor que estava muito bem na partida teve uma torção de joelho e tornozelo e deixou a partida.
Na volta do intervalo, a história foi outra. O palmeiras se impôs, pressionou e antes dos 15’ fez o seu gol, em penalidade no mínimo polêmica em Zé Roberto, que pediu para bater. O meia marcou o gol que trouxe a esperança de classificação, na partida de volta na próxima 4ªfeira, no Allianz Arena. Amaral ainda marcou outro gol, mas o árbitro Leandro Vuaden marcou impedimento, ao meu ver de forma equivocada. Coisas do futebol. As reclamações prometem influenciar no segundo encontro. Será? É aguardar para ver.
Já no Morumbi um grande clássico entre São Paulo e Santos. O San-São para variar foi repleto de gols e lances fantásticos. O time da casa buscava acabar com o jejum de 15 anos, mas parou em seus próprios erros e na eficiência santista.
A torcida tricolor anda mesmo desconfiada e prova que realmente costuma apoiar seu time, apenas na fase boa. Sem ainda ter a Copa do Brasil em seu imenso hall de conquistas, no estádio estiveram pouco mais de 26 mil torcedores. Lamentável, independente de chuva, trânsito, horário e por aí vai. Vale ressaltar que os “verdadeiros” tricolores estavam lá para o que der e vir.
No campo, o que se viu foi os comandados de Doriva tomando a iniciativa, após os 22 ‘ de paralização. Sim, com menos de 1’, faltou luz no Morumbi. Na volta, o time da casa perdeu gols atrás de gols. Se a máxima deu às caras no Maracanã, na casa tricolor não foi diferente.
Melhor para o Peixe que viu Gabriel abrir o placar e marcar o seu gol de número 14 na Copa do Brasil. O maior artilheiro da equipe na competição. O São Paulo não se abateu e chegou ao empate com um belo gol de Alexandre Pato, debaixo de um dilúvio. Ainda no primeiro tempo, Paulo Henrique Ganso poderia ter se consagrado. O meia, porém, perdeu um gol incrível cara a cara com Vanderlei.
Veio a segunda etapa e o apagão foi no time de Doriva. Em menos de cinco minutos o placar se resolveu. Foi um balde de água fria nos tricolores. Cirúrgico, o Santos marcou dois gols e decidiu a partida. Antes de 1’, o artilheiro Ricardo Oliveira marcou o gol de número 34 na temporada. Aos 4’, Marquinhos Gabriel de cabeça deixou o seu. Depois disso, o São Paulo continuou desperdiçando as chances criadas. Luis Fabiano ainda fez o seu, mas estava impedido. Já Alan Kardec perdeu um gol incrível dentro da área. Não era mesmo o dia do time da casa que ainda viu o Santos quase aumentar a vantagem no chute de Neto Berola, aos 43’. Após o seu chute, a bola tocou em Rogério Ceni, na trave e passou por toda à área.  
As atenções de ambos agora se voltam para o Brasileirão. Mas na semana que vem, o Tricolor terá de vencer por três gols de vantagem na Vila Belmiro. Não será nada fácil, afinal lá, o Peixe tem 100% de aproveitamento nas 13 partidas disputadas sob o comando de Dorival Júnior. No futebol tudo é possível, mas o pé tricolor deverá estar calibrado e o Peixe menos eficiente.
Até a próxima!