terça-feira, 1 de dezembro de 2015

AS ARMAS DE PALMEIRAS E SANTOS - Por Rodrigo Curty


E está chegando a hora. Amanhã a bola rola pela segunda final da Copa do Brasil entre Palmeiras e Santos. O Allianz Parque vai tremer e será colorido de verde e branco.
O confronto é bastante equilibrado, mas a rivalidade ganhou proporções, por causa dos últimos confrontos. Seja por declarações dos atletas, erros de arbitragem, insultos, enfim, o certo mesmo é que a final tem tudo para ser eletrizante e empolgante para os torcedores presentes e apaixonados pelo esporte Bretão
A campanha das equipes se equivalem. Do lado palestrino, os números mostram nas 12 partidas disputas, sete vitórias, três empates e apenas duas derrotas, ambas fora de casa - para Fluminense na semifinal e para o Peixe na semana passada.
Já o time da Vila Belmiro realizou 13 partidas(uma a mais na primeira fase, pois não conseguiu eliminar o jogo de volta). Foram 11 vitórias, um empate e apenas uma derrota – para o Sport, no jogo de ida da terceira fase.  
É bem verdade que quando a bola rolar amanhã para os 90’ finais, o retrospecto ficará em segundo plano. Tanto Marcelo Oliveira como Dorival Jr terão a missão de achar o equilíbrio ideal em seus jogadores. Trabalhar o psicológico, a parte técnica e física será primordial.
Penso que as polêmicas, incentivos da mídia para que o ambiente do jogo seja criado de forma equivocada faz parte do contexto, mas imagino que a inteligência é o que de fato tem que prevalecer.
É sempre bom ter ingredientes para “apimentar” uma decisão, porém só o que já ocorreu com as duas agremiações no ano basta para termos um jogo bem disputado. Mas vamos lá, como tem quem não se contente, algumas “armas” podem ganhar peso na preleção. Do lado palmeirense, a editora Escala, de certa forma ajudou, afinal, produziu e colocou no ar um pôster do Santos como sendo o campeão. Os comandados de Marcelo Oliveira podem se “apegar” nisso, mas por estarem em uma decisão, após um 2014 bem diferente, a motivação para levantar a terceira taça na competição não faltará. Acredito que os vídeos com lances principais do Santos e estudos de como neutralizar as principais “armas” nesse momento seria mais certeiro. Lucas Lima, Gabriel e as laterais fazem parte dessa análise da equipe que tem na força o seu conjunto.
Mas o Santos também tem seus recursos. Dorival trabalha bem outras opções táticas. A inversão de posicionamento, um banco com Geovânio de arma secreta e dois volantes técnicos e marcadores “leais” como Thiago Maia e Renato colaboram demais para o ataque que tem em Ricardo Oliveira o grande nome e a frieza necessária para o time se consagrar.
Sim, a principal arma do Peixe é o ataque. O time joga sem medo e sempre marca. O Palmeiras, por sua vez, gosta da bola parada, dos cruzamentos para dentro da área. Rafael Marques, nesse quesito deveria ser o titular no lugar de Gabriel Jesus, mas a tendência é de que a revelação jogue e, junto com Dudu pressione a zaga santista, além de segurar os laterais ofensivos. De qualquer maneira, o principal ajuste da equipe deve ser no setor defensivo. O time sofreu gols em 29 nos últimos 30 jogos. Amanhã se levar terá que fazer dois de diferença, caso contrário, o título será decidido nos pênaltis.
Até a próxima!