quinta-feira, 28 de julho de 2016

ATLÉTICO NACIONAL É BI DA LIBERTADORES - Por Rodrigo Curty

E deu a lógica. O Atlético Nacional (Col) conquistou seu bicampeonato da Copa Libertadores. O time colombiano, de quebra entrou para a história como sendo a equipe de melhor campanha, desde 1989, quando a competição passou a ter 14 jogos, da fase de grupos até a final.
O título foi inquestionável, apesar de erros de arbitragem, que poderiam ser cruciais. Houve falta da marcação de penalidade nessa noite e também contra o São Paulo na segunda partida da semifinal. Claro, que não é por isso que deve menosprezar ou diminuir a conquista.
O adversário, o valente time equatoriano do Independiente Del Valle não esperava sofrer um gol tão rápido, no enlouquecedor estádio Atanasio Girardot, em Medellín. Se na semifinal, a vitória de 3x1 contra o então favorito Boca Juniors dava uma possibilidade de conquistar o inédito título, o fato era que o empate em 1x1, em casa traria uma complicação maior contra o time que teve com o jogo final, uma campanha irretocável - 10 vitórias, 3 empates e apenas uma derrota. Foram 33 pontos(78.6%) dos pontos disputados. Antes a melhor marca era do Boca Juniors, que em 2003, quando bateu o Santos, chegou aos 32 pontos. 
A partida ficou aquém do esperado. Foi decidida logo no início, aos 8' com o impressionante atacante Miguel Borja, que curiosamente, igualou o feito de Pelé, em 1963, quando marcou quatro gols nas semifinais contra o Botafogo e um na final contra o Boca. E olha que Borja veio para substituir Copete, que foi para o Santos e jogou apenas cinco jogos. Que estrela e competência.
Daí para frente, a partida ficou equilibrada e muito pegada no meio. Foram raras as chances de gol e as principais para o time da casa, muito bem dirigida pelo técnico Reinaldo Rueda. O tempo ia passando e a torcida, pouco mais de 44 mil pessoas esperançosa para gritar "É campeão". 

Parabéns aos colombianos e agora é aguardar para ver se encaram o Real Madrid no final do ano.
Até a próxima!