quarta-feira, 3 de maio de 2017

O FLAMENGO DE ZÉ RICARDO - Por Rodrigo Curty

O Flamengo para alívio de sua imensa torcida voltou a vencer na Copa Libertadores. O Maracanã estava abarrotado de rubro-negros eufóricos, esperançosos e prontos para a apoiar a equipe de Zé Ricardo em mais um duelo complicado contra os chilenos da Universidad Católica. 
O treinador, aliás foi o grande protagonista da noite. Se em algum momento os tabloides, jornalistas e palpiteiros de plantão aguardavam a hora do apito final para "detonar" o comandante, no final, tiveram que reconhecer e aplaudir a ousadia e confiança do que Zé tinha em mãos para a partida.
Antes de entrar na mesma,a vale e muito o registro. Os números do comandante de apenas 45 anos são excepcionais -  Após essa partida foram 63 jogos com 37 V / 10E / 10D. Falta o título e a concretização de um trabalho. O dia após dia de questionamento até às vezes de forma exagerada dará resultado, afinal essa hora chega para todos.
De volta ao jogo - O confronto foi pegado, disputado e com o mesmo cenário dos últimos jogos do Flamengo. O time é uma máquina de perder gols. O esquema dessa vez contou com Márcio Araújo e Willian Arão na contenção e Mancuello e Gabriel pelas pontas, abastecendo Everton mais adiantado e Paolo Guerrero, ora 10, ora 9 e disparado o melhor em campo. Mesmo confuso e dando espaços para os chilenos, que também tiveram chance clara de abrir o placar, o time carioca merecia a vitória. 
A volta para etapa final prometia fortes emoções, principalmente porque na outra partida do grupo, o Atlético PR em casa era derrotado pelo San Lorenzo por 2x0 (a partida terminou 3x0, e tirou o time brasileiro da segunda colocação do grupo).
Zé Ricardo a fim de reconhecer que o time não rendeu o esperado, tirou o coelho da cartola - Sacou Mancuello e apostou em Rodinei. A mudança teve críticas por contar com dois laterais do lado direito e se transformou em alívio - Em falta cobrada por Guerrero a bola sobrou no pé esquerdo do "predestinado" lateral - belo gol e Maraca abaixo!!
Daí para frente era administrar e matar a partida. As oportunidades surgiam e nada de matar a partida. Foi então que mais uma vez Santiago Silva quase calou o estádio. Empate em falha maior de Rafael Vaz do que de Muralha, o que o torcedor está bem acostumado e sem paciência.
Por sorte de tanto tentar, veio o belo gol do peruano Guerrero em sua partida de número 200 na competição. Foi o que precisava para dar tranquilidade. Então outra substituição - Renê no lugar de Gabriel. Invenção? Ora, do lado esquerdo, desde que o time ficou sem Diego, Zé já havia testado essa opção dando liberdade para Trauco virar meia. E não é que deu novamente certo? Aos 41', em jogada persistente do peruano, o terceiro gol e a vitória confirmada. 
O placar de 3x1 merece comemoração e também muita atenção, afinal a classificação não está garantida. O Flamengo deve ser Flamengo na Argentina e fazer o seu papel sem depender do tropeço do Atlético PR. Até o dia 17/05, o clube ainda terá uma final contra o Fluminense, estreia na Copa do Brasil contra o Atlético GO e início de Brasileirão contra o Atlético MG. Haja fôlego para Zé Ricardo montar a equipe certa e assertividade na escalação com o que tem em mãos até o retorno de suas principais peças.
Até a próxima!