terça-feira, 13 de novembro de 2007

PODERÁ E SERÁ USADO CONTRA VOCÊ NO TRIBUNAL! por Gustavo Cavalheiro

Hoje vou tratar de um assunto bem amplo, mas atualmente muito recorrente no esporte mundial e que vale uma reflexão: O pós-jogo, o tapetão, o bastidor dominou as manchetes.


Vamos lá, começando pela pizza sabor McLaren da FIA, passando por DNA na urina de Rebeca e as decisões do STJD no brasileirão, quem resolve essa zona?

Falamos de quê? Quem é mais rápido, quem joga mais, quem é o melhor atleta? Não, não! Falamos de ações, liminares, julgamentos, decisões e o escambau. Aí te pergunto: Cadê o esporte nisso?

Foi-se o tempo em que uma equipe pensava em ter um bom elenco, uma boa comissão técnica e uma boa diretoria esportiva. Hoje o cargo de diretor/consultor jurídico de um clube ou instituição esportiva é tão ou mais importante que as defesas de São Felipe do Parque São Jorge ou as caneladas de Obina (melhor que Eto'o) da Gávea.

Ter alguém de peso no jurídico impede por exemplo que seu time, diretoria e atletas sejam punidos, conforme mandam os estatutos do esporte e do COI.

O "craque do direito" salva a pátria mesmo dando positivo no doping, mesmo que o médico do clube tenha receitado a todo elenco umas pílulas de cafeína, mesmo depois de ficar claro que o seu time caiu pelas tabelas nas rodadas seguintes por causa do fim das "santas e cafeinadas" ajudas externas.

O craque do direito faz com que o time busque um efeito suspensivo quando um jogador destrambelhado sai agredindo 1, 2 ou mais adversários na partida; faz com que tenha efeito suspensivo quando o campo tem de ser fechado pra torcida. Enfim, faz a mágica da exceção acontecer!

Esse ano o STDJ só perderá do famoso ano de 2005 em que Zveiter fez História. Chutes na cara de propósito no adversário, goleiro imitando incrível Rojas fingindo ter sido atingido por uma pilha, socos no baço, socos em dois no mesmo jogo, uma esculhambação institucionalizada.

O que aconteceu? Tudo na mesmice da Vampetagem dos tribunais: FINGE QUE JULGA, QUE EU FINJO QUE PUNO!

Sabe o que teve punição automática nesse campeonato? O ato cretino do Leandro (Gianechini ou Cheirinho) do São Paulo FC, que ao perder do rebaixado Juventude saiu fazendo gestos da faixa de campeão, espalmando 5 dedos, falando: Vocês caíram!

Certo, certíssimo, ele tem razão! Mas a razão maior ainda está com o torcedor da serra gaúcha, em tripudiar com uns 10 minutos de Oléééé sobre o campeão. Isso ninguém tira, o justíssimo campeão foi superado com autoridade pelo rebaixado sim, admita, assuma e aceite!

Esse pagou direto no caixa por sua "cabecinha esquentada" a sacanagem, a brincadeira do adversário mais fraco questionando a superioridade do campeão. Isso não tem segunda instância, nem apelação. É pá, pum!

Já o caso da Rebeca é triste, principalmente por ser evidente que ali tinha, tem e terá gato nessa tuba! Ninguém que tenha visto uma foto ou entrevista da atleta em 2003 e a vê agora pode acreditar por mais "poliânico" que seja seu coração, que ela não se dopou.

Sou contra redimir os atletas de culpa. Rebeca, você não vai me dizer que "cresceu" 25 quilos de músculos em menos de 4 anos, que você recebeu a alcunha de Frotinha à toa, que você tem hormônios masculinos naturalmente maiores que as suas colegas e o permitido pelo Conselho anti-dopagem do COI, vai? O Natal está chegando e o Papai Noel não gosta de menina mentirosa.

Não venham os puristas jogar culpa nos técnicos, médicos e etc. A cota mais alta quem pagará será a Rebeca, e ela sabe. Tomara que não pague com a vida, como pagou a "Ben Johnson do atletismo feminino" Florence Griffith-Joyner após seu canto do cisne em Seul e mais nada.

Na FIA o tapetão imperou em 2007 e o improvável aconteceu, a McLaren conseguiu perder para si própria o título de pilotos, após ter "entregue" o de construtores no acerto do tribunal. Aí cabe uma pergunta: Ron Dennis, você não vai me falar, parodiando um famoso político, "que fumou mas não tragou as informações da Ferrari" que a sua dupla de calhordas espanhóis do volante (De la Rosa e Alonso) obtiveram do engenheiro mercenário, vai?

Sabe o que o povo quer? Parar de ver noticias do judiciário no caderno de esporte (e vice-versa) e voltar a curtir o CITIUS, ALTIUS , FORTIUS.

Olha que nem comecei a falar da parte do tapetão político e criminal, mas essa fica pra depois... eternamente, dentro dos nossos corações!?